Processo de mudança

13 06 2010

Para o processo de transformação interior é necessário estar atento a alguns pontos:

  • O processo de transformação interior não é instantâneo,  é progressivo, seqüencial e muitas vezes demorado. (13)
  • Reforma íntima é a habilidade de lidar com as características da personalidade melhorando os traços que compõem suas formas de manifestação, é transpor os interesses pessoais e o personalismo e tem como meta esvaziar-se de si. (13)
  • A vontade é uma grande auxiliar, mas não é o suficiente para mudar muitas de nossas imperfeições.
  • Todo processo de transformação necessita de ser precedido de um trabalho extensivo de autoconhecimento. Não transformamos o que não conhecemos.
  • Não se transforma quem não se aceita primeiro como é.
  • A pressa atrapalha mais que ajuda nessa caminhada.
  • Reforma íntima é para pessoas fortes e que tem coragem para se enfrentar.
  • É necessário ter saúde ou pelo menos cuidar bem do corpo e da mente para se transformar.
  • A perseverança, insistência, determinação e alguma disciplina são necessárias.
  • Ninguém consegue fazer esse trabalho sozinho, precisamos sempre do incurso e assistência dos nossos espíritos protetores, dos espíritos de luz e sobretudo da intercessão do Cristo em nossas práticas.
  • A doutrina espírita é um tratado de crescimento integral, precisamos nos valer dos seus ensinamentos.
  • Um termômetro seguro de transformação – “Quem se renova alcança a maior conquista das pessoas livres e felizes: o prazer de viver”. Ermance Dufaux (13)
  • O processo de crescimento gera alguma dor. As dores do crescimento, no entanto, são diferentes das dores do martírio. (13)
  • Sofrimento não é sinônimo de crescimento , resgate ou quitação de divida, a autopunição não é instrumento de libertação. Somente a dor que educa liberta, não é a intensidade da dor que educa e sim o esforço de aprender amenizá-las. (13)
  • Reforma íntima é a melhoria de nós mesmos e não anulação de uma parte de nós considerada ruim. É uma proposta de aperfeiçoamento gradativo cujo objetivo maior é a nossa felicidade. (13)
  • Nossa realidade espiritual é de luz. O que evolui e se transforma, são nossas distorções dessa luz.
  • Deus não está distante, mas dentro de nós. Somos expressões “Dele”. Somos filhos de Deus, filhos da Luz
  • Sintonizamos e acessaremos melhor a nossa luz à medida que transformamos nossas distorções e nos desapegamos das ilusões.
  • Nosso valor já existe no simples fato de sermos criaturas da Divindade, não é dado somente pelo merecimento. Somos humanos, imperfeitos, falhos, mas mesmo assim amados por Deus.
  • O estudo edificante, a oração e a caridade são as forças transformadoras e necessárias para a mudança, mas o material a ser transformado são as nossas distorções.

*Ver fontes referentes às citações em “Indicação de livros” .





Cuidar-se

20 05 2010

No processo de autoconhecimento temos momentos de grande alivio, prazer e também de muita dor. Entramos em contato com nossas ilusões, nossas crenças distorcidas sobre nos mesmos o outro e sobre a vida, com o nosso passado e as estratégias que criamos para sobrevivermos.

Descobrimos nossos muitos eus, aprendemos a nomea-los, nos decepcionamos conosco mesmos e aliviamos também muitas auto-exigências. Tudo isto consome muita energia, e nos tira do eixo em muitos sentidos.

O ato de conhecer a si mesmo, seu universo interior pode gerar alguns distúrbios em seu funcionamento mental e também físico. Poderíamos dizer que é um bom desequilíbrio em função de seu resultado mais profundo, mas também se não cuidarmos pode ser inconveniente e incomodo.

Alguns cuidados básicos podemos ter nesta aventura de autodescoberta: Cuidar bem do corpo (cuidando da alimentação, fazendo exercícios, alongamentos, tomando sol, tomando muito liquido, dormindo bem),  diminuído as tensões do dia a dia (através de práticas como yoga, Tai-chi, relaxamento psicofísico, etc.). Entrar em contato com freqüência com a natureza, descansar a mente (meditação, visualizações), procurar ajuda de profissionais de saúde física e mental quando necessário. Recolher-se sempre que possível na prece, na leitura edificante para a alma e na conecção espiritual.